Construindo um mundo mais aberto

* Texto da CEO da Open Knowledge Internacional, Catherine Stihler.

Crédito da foto: European Parliament audiovisual

Esta é minha primeira semana no meu novo papel como Diretora-Executiva da Open Knowledge Internacional.

Habilidades digitais e uso de dados sempre foram uma paixão pessoal, e eu não posso esperar para trabalhar com e conhecer tantas pessoas talentosas lutando por um mundo mais aberto. É um privilégio fazer parte de uma organização que estabeleceu o padrão global de compartilhamento genuinamente livre e aberto de informações, com base na visão de seu fundador, Dr. Rufus Pollock, que deseja criar uma era da informação aberta.

Houve muitos ganhos nos últimos anos que tornaram nossa sociedade mais aberta, com especialistas – sejam cientistas, empresários ou ativistas – usando dados para o bem comum.

Mas eu me junto à OKI no momento em que a abertura está em risco. A aceitação de fatos básicos está sob ameaça, com muitas opiniões de especialistas descartadas e uma cultura de “anti-intelectualismo” daqueles que estão nos extremos da política. Os fatos são simplesmente chamados de “notícias falsas”. A ascensão da extrema direita e da extrema esquerda traz uma abordagem autoritária que pode nos levar de volta a uma sociedade fechada.

O caminho a seguir é ressuscitar os três fundamentos de tolerância, fatos e ideias, para evitar a deriva para os extremos. Quero ajudar a aproveitar o poder dos dados abertos e liberar seu potencial para o bem público.

No último século, o filósofo Karl Popper argumentou que a abertura à análise e ao questionamento promoveria o progresso social e político. Sua visão pode hoje ser vista da maneira como dados abertos podem melhorar nossa vida no século XXI. Há cidades na Europa que usam dados de sensores em tempo real para informar aos motoristas a disponibilidade precisa de vagas de estacionamento nas ruas e a localização dos ônibus em tempo real.

Os dados abertos podem ajudar o meio ambiente, analisando as tendências de uso na forma como tratamos o lixo doméstico, podem melhorar a saúde de uma nação prevendo surtos de doenças e podem permitir que as autoridades respondam a eventos climáticos extremos como tempestades de neve e inundações de forma coordenada.

E isso pode beneficiar os consumidores também. Na semana passada, em uma conferência de tecnologia em Edimburgo, encontrei uma empresa escocesa chamada Get Market Fit, que criou uma ferramenta on-line gratuita chamada Think Check. Ela permite que os compradores verifiquem se um produto ou vendedor é o que parece e avisam se você está exposto a falsificações ou fraudes.

Quando os dados abertos se tornam úteis, utilizáveis ​​e usados ​​- quando são acessíveis e significativos e podem ajudar alguém a resolver um problema – é quando se torna conhecimento aberto.

E não se trata apenas de tornar nossas vidas mais fáceis. O conhecimento aberto pode tornar as instituições poderosas mais responsáveis, e informações vitais de pesquisa podem nos ajudar a enfrentar desafios como pobreza, doenças e mudanças climáticas.

Se sabemos como os governos gastam nosso dinheiro – tanto em seus planos quanto na realidade – eles são mais responsáveis ​​perante os cidadãos.

O poeta Robert Frost, que falou na posse do presidente John F. Kennedy, escreveu sobre um homem que disse que “boas cercas fazem bons vizinhos”. Mas a verdade é que bons vizinhos não colocam cercas – eles compartilham conhecimento através de um espaço aberto. Compete a todos nós nos tornarmos bons vizinhos para que possamos construir um mundo mais aberto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *