OKBR integrou júri e mentoria no Hackathon da Fiocruz para inovação em saúde pública

No último fim de semana (31/11 e 1/12), o time de Ciência de Dados para Inovação Cívica da Open Knowledge Brasil esteve presente no Hackathon Fiocruz 2019, que reuniu 32 competidores em oito equipes para pensarem soluções tecnológicas para o Sistema Único de Saúde (SUS).

Mário Sérgio Queiroz e Ariane Alves foram convidados pelo Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz) para compor, respectivamente, o corpo de jurados e de mentores da maratona de programação. Contamos a seguir um pouco dessa experiência.

Saúde pública brasileira em foco

Os desafios propostos no Hackathon foram divididos em quatro temas relevantes para o contexto de saúde pública no Brasil: a detecção de vetores de arboviroses (doenças como dengue, Zika vírus, febre chikungunya e febre amarela), o monitoramento da presença de carrapatos transmissores da febre maculosa, a continuidade no tratamento de tuberculose e a divulgação dos cursos da Fiocruz, que podem auxiliar uma ampla parcela da população.

Durante 24 horas, os oito grupos pensaram e estruturaram suas soluções em forma de aplicativos para dispositivos móveis. Para avaliar as propostas apresentadas, os jurados observaram a viabilidade financeira e técnica de cada solução, com atenção para o valor agregado ao usuário final. É importante entender que as soluções que envolvem determinadas enfermidades podem trazer constrangimentos sociais para os pacientes. Dessa forma, é interessante buscar alternativas tecnológicas que não exponham as pessoas ao seu círculo social e que garantam a proteção aos dados dos indivíduos.

Confira aqui os projetos selecionados.

Participantes reunidos após o anúncio das equipes vencedoras | Foto: Ariane Alves

Palestras de apoio complementaram o evento e auxiliaram os participantes

Um ponto alto da programação foram as várias palestras de apoio aos participantes, abordando temas pertinentes às áreas de inovação e saúde, como inteligência artificial, pilares para a construção de chatbots e MVPs (mínimo produto viável) e o uso da Plataforma de Ciência de Dados aplicada à Saúde (PCDaS).

Ricardo Dantas (coord./Icict/Fiocruz), Mário Sérgio, Marcel Pedroso (org./Icict/Fiocruz) e Ariane Alves | Foto: André Bezerra – Icict/Fiocruz

Na ocasião, Mário apresentou a Operação Serenata do Amor e o portal Parlametria como exemplos do uso da tecnologia para inovação cívica no Brasil. Com isso, as equipes puderam entender melhor como incluir em seus projetos conceitos de integração e engajamento da sociedade civil em soluções tecnológicas, prática bastante pertinente e necessária à área de saúde pública e ao uso do SUS.

Mário Sérgio apresenta os projetos de Inovação Cívica da OKBR | Foto: Raquel Portugal – Icict/Fiocruz

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *